A Fundação
Os Arquitectos
A Documentação
Património Edificado
Investigação
Edições
Conferências
Colóquios
Exposições
Cursos
Visitas Guiadas
Viagens Culturais
Outras iniciativas
Gravações vídeo
Newsletter
Contactos
Loja
Destaques
Carrinho de Compras
Arquivo digital
Catálogo bibliográfico
facebook
facebook
Teatro S. João « voltar às obras


Teatro de S. João, bilhete-postal, s.d.

Início do projecto 1909
Data de início da obra 1910
Data de inauguração 1920

Classificação como Imóvel de Interesse Público 1982 (Dec. nº 28/82, de 26 de Fevereiro)
Reclassificação como Monumento Nacional 2012 (Dec. nº 16/2012, de 10 de Julho)


Imagine-se um Teatro a arder. Foi o que aconteceu na noite de 11 para 12 de Abril de 1908, no Porto. O teatro tinha sido projectado por Vicenzo Mazzoneschi, no lugar onde após o incêndio se construiu o novo Teatro de São João, projectado por Marques da Silva. A cidade debateu com animação o programa de construção da nova obra, no qual a principal preocupação foi, naturalmente e como consequência do desastre criador, a segurança. Ainda em 1909 fez-se um primeiro concurso, com Marques da Silva no júri, que foi anulado para dar lugar a ajustes no programa e na encomenda. Em Fevereiro de 1910 fez-se um segundo concurso em que Marques da Silva, já não presente no júri, concorreu, e ganhou o primeiro prémio. Em Setembro já estava a ser construído o novo teatro.
A obra concluiu-se em 1918 e a comissão de segurança não gostou. Marques da Silva tinha adoptado a construção de um perímetro em pedra, coisa grave, e tinha construído em betão as lajes, vigas, escadas e tectos. Mas o resultado não colheu o assentimento geral, percalços sucessivos na perspectiva da comissão de segurança que só aparecem quando a obra já estava concluída, herança da tradição do teatro à italiana na perspectiva de Marques da Silva. O debate é sugestivo: o arquitecto alimentava-se das soluções técnicas que os seus amigos da École de Beaux-arts construíam nas cidades francesas e os peritos exigiam uma eficácia funcional que consideravam ausente. Finalmente, a obra foi inaugurada em 1920.
O Teatro de São João é uma massa monumental, uma caixa de grande formato pousada na plataforma geológica da Batalha com a inteligência suficiente para criar continuidades com as construções vizinhas. Para além da ambiguidade construtiva, entre as novas tecnologias (como o betão armado ou as instalações sanitárias), a relação entre o objecto destacado no tecido da cidade e uma forma em contínuo com as construções vizinhas, o edifício do Teatro espelha os sistemas de contradições entre a herança académica e as transformações sociais do século que se iniciava. A agilidade de compromisso de Marques da Silva continua no formato da sala, entre as tradições italiana, portuguesa e francesa E é a habilidade na gestão de todas estas ambiguidades e conflitos que caracteriza a acção de Marques da Silva como arquitecto. Essa é a razão da relevância do Teatro de São João no percurso profissional do arquitecto.
  

Bibliografia de referência
BARROSO, Eduardo Paz, Teatro Nacional S. João: Um Renascimento, Porto, Porto Editora, 1993.
CARDOSO, António, O arquitecto José Marques da Silva e a arquitectura no Norte do País na primeira metade do séc. XX, Porto, Faup-publicações, 1997, pp. 472-492.
CARNEIRO, Luís Soares, A Estranheza da Estípite. Marques da Silva e o(s) Teatro(s) de S. João, Porto, FIMS, 2010.
CARNEIRO, Luís Soares, «Teatro de S. João» in Guia de Arquitectura Moderna Porto 1901/2001, Porto, Ordem dos Arquitectos SRN-Civilização, 2001.
Teatro Nacional S. João, Lisboa, Boletim IPPAR, 1995 .

Localização
Porto, Praça da Batalha
Google Map

© fundação instituto arquitecto josé marques da silva / uporto / design: studio andrew howard / programação: webprodz