A Fundação
Os Arquitectos
A Documentação
Investigação
Edições
Conferências
Colóquios
Exposições
Cursos
Visitas Guiadas
Viagens Culturais
Outras iniciativas
Gravações vídeo
Newsletter
Contactos
Loja
Destaques
Carrinho de Compras
facebook
facebook
Casa Atelier Marques da Silva « voltar às obras

 
Estudo para fachadas lateral e frontal, 1909

Início do projecto 1909

Quando um arquitecto projecta para si próprio, distante dos conflitos de gosto e dos compromissos de outros clientes, tem a possibilidade de manipular com uma segurança mais operativa algumas questões centrais da arquitectura. A casa do arquitecto transforma-se assim, não apenas no espelho das suas convicções sociais, mas também um momento de manifesto disciplinar. E, quando à casa se associa o atelier, a obra transforma-se no exemplo onde o arquitecto recebe os clientes, uma espécie de mostruário em directo da sua competência.
Na Casa Atelier, a convivência regrada e ambígua com o palacete Lopes Martins é a primeira demonstração perceptível, provocando a presença de uma nova escala doméstica nas formas urbanas da Praça do Marquês. Essa domesticidade é explícita assim que se ultrapassa a porta da casa, num hall com dimensões suficientemente generosas para se transformar numa sala de estar, com lareira, escadas cenográficas e aberturas amplas para o exterior.
No piso inferior estava instalado o atelier, com um circuito de ligação de serviço independente do serviço do piso superior, onde estavam instalados os quartos e os espaços mais reservados da habitação. O que a Casa Atelier demonstra com uma eficácia contundente, é a origem doméstica da prática dos arquitectos da Escola do Porto. O atelier, com acesso independente da casa para os colaboradores (através de uma pequena porta de serviço), está literalmente instalado no vão da escada e não tem porta para receber clientes. Essa ausência significa que o cliente de Marques da Silva habita a casa, é recebido no hall, no piso nobre e a dois passos da sala de jantar.
De um ponto de vista formal, a Casa Atelier é uma demonstração de virtuosismos e habilidades técnicas. Marques da Silva usou lajes mistas de madeira e betão armado, pedras de dimensões colossais em varandas, beirados recortados e saltitantes para exprimir um jogo volumétrico intenso. As várias soluções reforçam a expressão da materialidade do granito, evocando formalmente um eventual estilo românico, cujas formas eram da predilecção de Marques da Silva.
 

Bibliografia de referência
CARDOSO, António, O arquitecto José Marques da Silva e a arquitectura no Norte do País na primeira metade do séc. XX, Porto, Faup-publicações, 1997, pp. 536-539.
VASCONCELOS, Domingas, A Praça do Marquês de Pombal na Cidade do Porto, das suas origens até à construção da Igreja da Senhora da Conceição, Porto, Faup-publicações, 2008, pp. 117-118.

Localização
Porto, Praça Marquês do Pombal, 44
Google Map

© fundação instituto arquitecto josé marques da silva / uporto / design: studio andrew howard / programação: webprodz