A Fundação
Os Arquitectos
A Documentação
Património Edificado
Investigação
Edições
Conferências
Colóquios
Exposições
Cursos
Visitas Guiadas
Viagens Culturais
Outras iniciativas
Gravações vídeo
Newsletter
Contactos
Loja
Destaques
Carrinho de Compras
Arquivo digital
Catálogo bibliográfico
facebook
facebook
Edifício Sede e Oficinas da Cooperativa dos Pedreiros « voltar às obras

 

 

Autoria: arquiteto David Moreira da Silva e engenheiro civil J. Bastian [1937].    
               Arquitetos David Moreira da Silva e Maria José Marques da Silva Martins
               [1949-1950].

Localização: cidade do Porto, ruas da Alegria e de Anselmo Braamcamp, edifício sede, oficinas e instalações sociais.

Início do Projecto: 1937
Data do Início da Obra: 1937
Data de Conclusão da Obra: 1953

 

Um conjunto de edificações projetadas e construídas durante as décadas de 30/40 (edifício sede, oficinas) e 60/70 (torre residência/albergaria, academia), para um espaço particular da cidade e no qual cada um dos seus elementos constitutivos possuem linguagens estéticas distintas, tendo sido pensados para desempenhar funções diferenciadas. O edifício sede, as oficinas, os diferentes espaços destinados aos operários pedreiros e, finalmente, a torre residencial/albergaria e academia José Moreira da Silva são peças que foram sendo reunidas/integradas numa mesma área da cidade e ainda hoje se impõem na paisagem urbana contemporânea. Conjunto inscrito no horizonte da cidade, num sítio localizado a uma cota elevada, entre as ruas da Alegria e de Anselmo Braamcamp, tornou-se num signo referência permanente da então Sociedade Cooperativa de Produção de Operários Pedreiros Portuenses (SCPOPP), uma presença […] resultado de ações e discursos da cidade (CORTES, 2008).

A Cooperativa dos Pedreiros investiu neste terreno acidentado os rendimentos obtidos em obras por si realizadas. Em 23 de maio de 1927, a Sociedade Cooperativa de Produção de Operários Pedreiros Portuenses adquiria a António Maria de Miranda Vasconcelos e esposa o terreno […] com uma casa de lavoura em ruinas, sito entre os prédios das ruas Anselmo Braancamp, Alegria e Herois de Chaves [….] tendo para esta ultima rua uma frente de três metros e meio em esquadria, com entrada também pela rua da Alegria nº 598, servidão comum a este prédio […] (CRPP, LB, 145).

As primeiras intervenções nesta área dão-se no início na década de 1930, num espaço urbano delimitado pelas ruas da Alegria e de Anselmo Braamcamp, com a alteração de uma fachada e adaptação de um edifício existente e propriedade daquela instituição, a cantina e a depósito de carvão.
Data de maio de 1937 o primeiro projeto assinado por David Moreira da Silva e pelo engenheiro civil J. Bastian e elaborado durante o período correspondente à estada de David Moreira da Silva em Paris enquanto aluno da École Nationale Supérieure des Beaux Arts de Paris e do Instituto de Urbanismo daquela capital francesa [1934-1939].

De 1949 e 1950 datam os aditamentos feitos ao anterior projeto da autoria dos arquitectos David Moreira da Silva e Maria José Marques da Silva Martins. Neles se prevê a construção de vários corpos adaptados à topografia do lugar, com preocupações higienistas, funcionalistas e sociais. Estes corpos localizam-se a diferentes níveis e destinam-se a dormitórios coletivos, enfermaria, gabinete médico, sala de curativos, sala de aula, biblioteca, gabinete da direção, balneário e WC, refeitório, armazém, casa da caldeira, sala de sessões, balneário, sala de repouso, oficinas voltadas para a rua de Anselmo Braamcamp, pavilhão com dispositivos espaciais destinados à Gerência situado na rua da Alegria.

David Moreira da Silva, filho do cooperativista José Moreira da Silva, participou ativamente na elaboração do projeto, tendo participado sozinho, no início, e mais tarde em parceria com a esposa, em todo o processo que culminaria na sua materialização. O casal de arquitectos assumiria o compromisso e colaboraria de forma incondicional e até ao fim da sua carreira com a SCPOPP.

José Moreira da Silva encontra-se ligado anímica e indelevelmente à consecução deste projeto que acarinhou. Pedreiro especializado e um dos dez idealizadores/fundadores da SCPOPP, em março de 1914, instituição destinada a promover a cooperação entre os pedreiros, a ajudar e a defender os interesses da classe num período de fortes tensões sociais resultantes de uma conjuntura caracterizada pelas precárias condições de vida e trabalho destes pedreiros. Homem empreendedor foi responsável pela introdução da indústria dos granitos polidos em Portugal em 1937, decisão tomada durante a sua visita à Exposição Universal de Paris, altura em que realizou um contrato com a Société Marbriére de Paris e numa época em que o filho se encontrava a estudar naquela cidade. Data da sua visita a este evento internacional a intenção da criação e da instalação das primeiras oficinas nos terrenos adquiridos anteriormente pela instituição e para a qual participaria ativamente enquanto sócio gerente até 8 de dezembro de 1969, ano da sua morte. Possuidor de um espírito de iniciativa e de empreendedorismo associado ao da solidariedade social, são-lhe ainda reconhecidas e atribuídas outras qualidades com as de paladino dos ideais cooperativistas, espírito pacífico, respeitador, responsável, afável, conciliador, sensato, lutador […] Espírito de iniciativa, capacidade de previsão e realização e ideais de defesa dos direitos profissionais e sociais dos pedreiros (FIMS/MSMS/4387 e 4388).

Quem do seu lado nascente (Fig. 1) observa a cidade, lê no horizonte um enorme bloco de cantaria rasgado por fenestração, construção que se desenvolve na horizontal e se encontra associada a um outro edifício que se impõe pela sua verticalidade. O primeiro edifício deste conjunto corresponde às primeiras oficinas e armazéns da SCPOPP, o segundo, à Torre Miradouro - ambos se inserem, marcam e dominam de uma forma impositiva a paisagem urbana, possuem uma dimensão temporal, são uma imagem forte e referencial de um conjunto que se encontra associado de uma forma singular a uma instituição, familiar ao olhar.


Maria do Carmo Marques Pires
Doutoranda da FLUP
Investigadora do CEPESE

 


Fontes
Arquivo Histórico Municipal do Porto - Livros de Licenças de Obras.
Fundação Instituto Arquiteto José Marques da Silva: FIMS/MSMS/4387 e 4388; FIMS/MSMS/1529 FIMS/MSMS/3975 – correspondência trocada entre David Moreira da Silva e o presidente da Câmara Municipal da Maia, dr. José Vieira de Carvalho [1977-1984].

1ª Conservatória do Registo Predial do Porto- Livros da Descrições Prediais e de Inscrições de Transmissão.

Bibliografia
CORTÉS, José Miguel – Políticas do Espaço. Arquitetura, Gênero e Controle Social. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.
ROCHA, Hugo – As Obras de Santa Engrácia do Pôrto Acabarão de Se Fazer?. Tripeiro, Série 5, Ano 1, nº 1 (1945) pp. 19-20.
SOCIEDADE Cooperativa De Produção Dos Operários Pedreiros Portuenses – relatório de Contas da Comissão Executiva e Parecer do Conselho Fiscal – exercício de 1969. Porto: Imprensa Social, 1970.
SOCIEDADE Cooperativa De Produção Dos Operários Pedreiros Portuenses - relatório de Contas da Comissão Executiva e Parecer do Conselho Fiscal – exercício de 1976. Porto: Imprensa Social, 1977.
SOUSA, Francisco de Almeida – A Cooperativa de produção dos Operários Pedreiros Portuenses. Tripeiro. Porto, Série Nova, Ano 9, nº 8 (1990), pp. 234-238).

 

  • Fachada Nascente, 2005. Fotografia de Maria do Carmo Pires.
  • SCPOPP entrada situada na rua da Alegria, 2011. Fotografia de Maria do Carmo Pires.
  • Vista aérea da parte nascente da cidade do Porto – Edifício Miradouro e das instalações da sede Social, 1968. FIMS/Per 182
  • Maqueta das Oficinas da SCPOPP, R. Anselmo Braamcamp, 1953. FIMS/MSMS/Foto1681
  • Maqueta das Oficinas da SCPOPP, R. da Alegria, 1953. FIMS/MSMS/Foto1682
  • SCPOPP entrada situada na rua da Alegria, 1953. FIMS/MSMS/Foto0090
© fundação instituto arquitecto josé marques da silva / uporto / design: studio andrew howard / programação: webprodz