A Fundação
Os Arquitectos
A Documentação
Património Edificado
Investigação
Edições
Conferências
Colóquios
Exposições
Cursos
Visitas Guiadas
Viagens Culturais
Outras iniciativas
Gravações vídeo
Newsletter
Contactos
Loja
Destaques
Carrinho de Compras
Arquivo digital
Catálogo bibliográfico
facebook
facebook
Edifício Quarteirão Conde de Vizela « voltar às obras


Edifício Quarteirão Conde de Vizela, cunhal entre a rua Cândido dos Reis e a rua das Carmelitas, Porto, fotografia de época (s.d., s.a.).

1º Projecto (Casimiro Barbosa): 1905
2º Projecto (Boutin): 1909
Aditamento ao 2º Projecto (Inácio Pereira de Sá): 1919
Direcção de obras (Marques da Silva): 1920-1932

Na urbanização das Carmelitas, que, realizada nos primeiros anos do século XX, ocupa a cerca do extinto Convento setecentista de S. José e Santa Teresa das Carmelitas Descalças, Diogo José Cabral (1864-1923), grande capitalista do norte do país e 1º Conde de Vizela, deixará um dos mais impressionantes edifícios da zona central portuense. Destinado a alojar os escritórios da Fábrica do Rio Vizela, algumas lojas comerciais e o Clube Portuense, o Palácio desenha um extenso e monumental quarteirão, erguido sobre um lote que o Conde detinha na totalidade, destacando-se, ainda hoje, como peça ímpar na malha urbana da cidade.
O processo de desenho e construção do edifício, onde participa uma vasta equipa de engenheiros, arquitectos, artesãos e corporações, desenvolver-se-á por mais de 20 anos, entre avanços e retrocessos.
O primeiro projecto, datado de 1905 e aprovado dois anos depois, é assinado pelo engenheiro Casimiro Barbosa. Se a imprensa lhe tece grandes elogios, descrevendo o edifício como ‘notável em grandeza e elegância de proporções em qualquer cidade da Península’, Diogo José Cabral, homem pragmático e fascinado pela imagem parisiense de que a cidade estava imbuída, vê na proposta do engenheiro um vocabulário excessivo e redundante, acabando por encomendar, em 1909, novos desenhos ao arquitecto francês Emile Boutin. Esta nova proposta caracteriza-se, sobretudo, por uma maior contenção volumétrica e de tom, apoiada nos óbvios valores de simetria e na forte ancoragem que a dimensão do quarteirão exige e que a utilização do granito acentua.
Apesar do novo projecto agradar a Diogo José Cabral e a construção seguir como programado, em 1920, Marques da Silva é convidado a tomar a direcção das obras, posição que ocupará durante os três anos seguintes. Experiente na afirmação e valorização de edifícios no contexto portuense, Marques da Silva tomará a liberdade de executar alterações e adições ao projeto de Boutin, nomeadamente o desenho das cúpulas dos torreões de ângulo, revestidas a escamas de ardósia e com aberturas em olho-de-boi, e o aumento do edifício para norte com um conjunto de mais cinco lojas sobre a rua Cândido dos Reis e duas novas entradas. De forma a garantir a integração das suas propostas no plano geral, acabará também por imprimir reformulações compositivas que irão valorizar não só o edifício mas todo o quarteirão. Utiliza paredes transversais, numa lógica modular e aberta às excepções das entradas e remates de gaveto, e, tirando partido da implantação do edifício, atribui um tratamento substancialmente diferente a cada fachada, hierarquizando-as e subordinando-as à disposição simétrica das plantas: se na rua Cândido dos Reis a fachada do edifício apresenta pedra ornamentada, na estreita rua dos Correios (hoje Conde de Vizela) aparece secundarizada e exibe betão com alvenaria de pedra lisa pintada, numa clara atitude de despojamento decorativo sem deixar de encobrir o seu referente clássico.
Com o Palácio Conde de Vizela, Marques da Silva contribuirá para o reforço da sua capacidade de arquitecto-construtor, dirigente de obras de grande escala, rigor e tipologicamente inovadores, assim exigido pelo progresso e cosmopolitismo europeu.


Bibliografia

CARDOSO, António – O Arquitecto José Marques da Silva e a Arquitectura no Norte do País na primeira metade do séc. XX. Porto: FAUP publicações, 2ªedição, 1997.
RAMOS, Rui Jorge (coord.) - Leituras de Marques da Silva. Porto: FIMS, 2011.

Localização

Porto, Rua das Carmelitas | Rua Conde de Vizela | Rua Cândido dos Reis
Google Map 

 

© fundação instituto arquitecto josé marques da silva / uporto / design: studio andrew howard / programação: webprodz