A Fundação
Os Arquitectos
A Documentação
Património Edificado
Investigação
Edições
Conferências
Colóquios
Exposições
Cursos
Visitas Guiadas
Viagens Culturais
Outras iniciativas
Gravações vídeo
Newsletter
Contactos
Loja
Destaques
Carrinho de Compras
Arquivo digital
Catálogo bibliográfico
facebook
facebook

Sistema de Informação José Porto


1939, Casa Manoel de Oliveira, rua da Vilarinha, Porto. Fotografia da década de 60

 

A arquitetura de José Porto (1883-1965) apresenta-se com um traço distintivo, plástica e expressiva, funcional e moderna, fortemente marcada pela influência das Artes Decorativas, assimiladas durante os anos de formação e primeiras experiências profissionais em Genève e em Paris. Foi pintor, ilustrador, decorador e designer, até se afirmar definitivamente como arquiteto, de regresso a Portugal, em 1934, com o projeto para o Estádio Distrital do Porto, concurso de onde sai vencedor e que marca o início de uma profícua e duradoura ligação à firma "Engenheiros Reunidos".
 

O percurso, singular, atribui-lhe uma particular importância no meio portuense e da projetação arquitetónica no Norte de Portugal, onde veio a alcançar a confiança de um fiel e possidente conjunto de clientes. Concentra-se na arquitetura doméstica, sem excluir os grandes equipamentos, ou mesmo a planificação urbana. Projetou essencialmente no Porto e Minho, mas também para Moçambique (Beira e Lourenço Marques) e Angola (Lobito), sem nunca perder o contacto com a sua terra natal, Marinhas (Vilar de Mouros), ou trair as suas raízes estéticas. É o autor, entre outras obras de reconhecido valor patrimonial, da moradia da rua da Vilarinha, projetada para Manoel de Oliveira, classificada como Monumento de Interesse Público (ver Portaria).
 

Em 2003, a exposição José Porto (1883-1965: desvendando o arquitecto de Vilar de Mouros, comissariada por Paulo Torres Bento, dá a conhecer a primeira recolha documentada sobre o percurso deste arquiteto cujo acervo profissional foi confiado pela viúva, Berthe Augustine Métairie ao Arquiteto Abílio Mourão. Em 2017, a documentação relativa à sua obra de arquitetura será doada à Fundação Marques da Silva. São mais de duas centenas de peças desenhadas, às quais se encontra associado um conjunto de 40 desenhos de Serralharia oferecidos pelo último sobrevivente da Oficina Fontes ao CIRV-GEPPAV e que esta instituição gentilmente entregou à Fundação para constarem do acervo de José Porto. A cerimónia de assinatura do contrato de doação está agendada para 9 de outubro.

 

Consultar Lista de Obras
Consultar Desdobravel José Porto

Ver José Porto, o Arquiteto que idealizou grande, iniciativa que assinala a doação do acervo à FIMS

 

 

 

© fundação instituto arquitecto josé marques da silva / uporto / design: studio andrew howard / programação: webprodz